Cem mil nudes criados por meio de tecnologia

Cem mil nudes criados por meio de tecnologia

dezembro 19, 2020 0 By carolcfuenmayor

Já imaginou você se deparar uma foto sua com partes intimas postadas na internet? E outro detalhe, não serem fotos reais. É o que aconteceu com mais de cem mil mulheres.

A inteligência artificial é uma grande ferramenta que é usada por grandes empresas do mundo inteiro e vem revolucionando vários segmentos com praticidade e novas funções nas tecnologias mais avançadas.

Segundo um relatório da Sensity, existem aplicativos que fazem a remoção das roupas das pessoas e que posteriormente são publicadas em redes sociais para milhares de pessoas. Essas imagens fakes foram espalhadas pelo Telegram.

Foram alvos aleatórios, alguns deste até podem ser menores de idade. Com o grande avanço da tecnologia e programas capazes de alterar vídeos e imagens isso pode ser um acontecimento comum de acontecer. Esse tipo de técnica é chamado de Deepfake Bot.

Para quem não conhece, o Deepfake Bot são arquivos de imagem ou de vídeo que são alterados por meio de programas. É muito comum ver esse tipo de modificação em épocas de eleição política ou empresas que fazem para manchar a imagem das concorrentes.

Mas o presidente-executivo da Sensity, Giorgio Patrini, afirma que a tendência de uso de fotos corriqueiras de pessoas comuns é relativamente nova.

Claro que isso não está restrito apenas as pessoas famosas ou pessoas públicas, qualquer pessoa que tem sua imagem postada em qualquer rede social pode ser um alvo fácil.

Por onde é feito a alteração dos arquivos de mídia?

O que se pode analisar, é que o bot que funciona por meio de inteligência artificial funciona através do meio de mensagens do aplicativo Telegram. Essa metodologia para fazer esse tipo de fraude, é simplesmente enviar a foto de uma mulher, que o sistema fará a remoção em poucos minutos.

Aplicativos como esse já saíram de circulação, mas como há grande variedade de aplicativos, pode ser que tenha tido mais circulando por ai.

Em alguns casos a qualidade fica totalmente desproporcional, mostrando claramente que é uma edição. Basta reparar bem nos detalhes, que é possível ver alguns defeito nas fotos.

Há usuários que não “acham ruim” sobre esse acontecimento, pois, é fácil ver que não é verdade e também não há porque ter preocupação, já que estão vendo uma foto falsa.

Claro, que todo zelo pela imagem na internet é importante.e devemos sim monitorar se há algo sobre nós sendo divulgado, por isso, tem que ter muito cuidado com quem conectamos nas redes sociais.

Não é algo que seja perigoso ao ponto de roubar informações, danificar sistemas, mas algumas pessoas podem ser sensíveis a esse tipo de situação e acabar sendo afetado por esse tipo de situação.

Imagens com conteúdos impróprios

Segundo a Sensity, entre o ano retrasado com o ano passado, mais de cem mil mulheres tiveram suas fotos modificadas e expostas ao público. Algumas fotos pareciam ser de pessoas com menos de 18 anos, o que dá a ideia de que alguns usuários estão divulgando conteúdo impróprio de adolescentes.

A grande maioria desses atos estão vindo de bots vindo da Rússia, segundo a rede russa VK.

Claro que isso não é algo aceito pelas instituições, porém, ainda não há leis ou políticas que sejam rígidas contra esse tipo de ação na internet. Esse tipo de informação é divulgado pelas autoridades e até pelos responsáveis dos aplicativos.

Como é algo que ainda está sendo estudado, as legislações estão tentando se adaptar e se atualizar para que sejam tomadas atitudes mais eficazes contra isso.

Com o passar dos anos, isso pode ficar ainda mais avançado e mais difícil de se controlar. Pois, com o avanço da tecnologia as imagens podem mais reais, usarem mecânicos de rede mais avançado para dificultar a localização, entre outros fatos.

Ou seja, o número de vídeos podem facilmente triplicar em questão de um semestre dependendo de como avança essa tecnologia. A mudança que a sociedade sofrendo é de um impacto exponencial, o que dificulta ainda mais a regulamentação de várias atos na internet.

Em alguns casos, vítimas que são expostas em vídeos falsos, podem se sentir totalmente humilhadas e ter sua vida totalmente afetada por alguns minutos que alguém quis fazer uma ‘brincadeira’ ou até mesmo com intenção maliciosa.

Há lugares que esse tipo de prática não é permitido, como é o caso do Estado americano da Virgínia.

Isso ainda é algo que causa muito discussão em vários lugares do mundo, pois, as leis que se tem hoje no cenário mundial, não estão preparadas para as novas tecnologias e os novos comportamentos da sociedade.

Por isso, instituições do mundo inteiro, principalmente as que são em defesas das mulheres, estão estudando formas de fazer com o que essa prática de deepfake seja minimizada e possa ter algum tipo de punição para quem faz

Porém, atualmente há muitas falhas no sistema de leis, e tomara que no futuro, tudo esteja atualizado para que pessoas não sejam afetadas com informações falsas.