Criptomoedas: Conheça as técnicas e evite perder sua carteira digital

Criptomoedas: Conheça as técnicas e evite perder sua carteira digital

dezembro 22, 2020 0 Por carolcfuenmayor

O Índice de Adoção Global 2020 da Chainalysis recentemente ilustrou o quanto a adoção de criptomoedas continua a crescer em todo o mundo, ano após ano.

Antes do Zumo e outras corretoras de confiança chegarem à app store, escolher um lugar para comprar, vender ou armazenar suas criptomoedas era um pouco como jogar aquele velho Campo Minado.

O mercado estava repleta de uma série de esquemas e golpes bem orquestrados, prontos para livrar você do seu suado dinheiro.

Os golpes de criptomoeda renderam mais de US$ 4 bilhões em 2019. Entre os alvos estavam as bolsas de negociação populares, plataformas de mídia social líderes mundiais e milhares de contas de e-mail privadas.

O provedor de análises Blockchain, Whale Alert, divulgou números no início deste ano indicando que US$ 24 milhões em criptomoedas foram roubados apenas nos primeiros 6 meses de 2020.

De brindes Bitcoin falsos divulgados por hacker na conta oficial do Elon Musk à esquemas de Ponzi de várias camadas, enganando grandes negócios em criptografia. Aqui estão 5 maneiras de você ter perdido sua criptografia em 2020.

1. Caindo no maior golpe do Twitter do ano

No Twitter você encontrará uma comunidade online cheia de investidores em tecnologia, líderes, programadores de primeira linha, revolucionários e artistas profissionais que fazem memes (sim, esse é um trabalho de verdade agora) que vivem e respiram tudo sobre crypto.

Um tipo popular de golpe no Twitter e que ganhou as manchetes mundiais no início deste ano é o “sorteio falso”.

Em 15 de julho, contas verificadas do Twitter de figuras e empresas importantes foram hackeadas. Os hackers usaram os perfis para promover uma oferta falsa de criptomoedas que prometia aos usuários US$ 2.000 em Bitcoins em troca de US$ 1.000.

As contas hackeadas incluem Apple, presidente Barack Obama, o ex-vice-presidente Joe Biden, Elon Musk, Kanye West, Bill Gates e a Uber.

Os hackers coletaram mais de US$ 100 mil em fundos roubados do ataque e acessaram o “Modo Deus” do Twitter por meio de um ataque de phishing que enganou um funcionário da empresa para que entregasse credenciais de login.

2. Deixar fundos em uma carteira centralizada (que é hackeada)

Oferecendo uma variedade de moedas para serem negociadas em um ambiente um tanto regulamentado, as trocas centralizadas são uma escolha popular para muitos iniciantes na criptografia.

Mas há um problema.Uma vez depositados em uma carteira centralizada, o destino de seus fundos fica inteiramente nas mãos dos proprietários da corretora.

Parece arriscado? Pode ser.Em 25 de setembro de 2020, os hackers roubaram mais de $ 275 milhões em criptomoedas do KuCoin, uma plataforma popular de troca de criptomoedas.

Esse incidente foi um dos maiores hacks de câmbio já feitos e, como os hackers usaram vários métodos, incluindo mixers, diversificando em um punhado de moedas em bolsas descentralizadas na tentativa de lavar seus ganhos ilícitos, foi difícil rastrear.

É imperativo que você tome a custódia de seus próprios fundos quando não os estiver negociando ativamente. Mantê-los em uma carteira pessoal segura à qual somente você tem acesso é a única maneira de garantir a segurança contra hacks em grande escala.

Então, transforme-o no seu mantra matinal, faça uma tatuagem na testa se precisar, mas lembre-se sempre:”Não compartilhe suas chaves”.

3. Trocando o SIM

A troca de SIM está aumentando em 2020. Os trocadores de SIM enganam seu provedor de serviços móveis para que transfira seu número de telefone para um novo cartão SIM incorporado a um dispositivo que eles controlam.

Os golpistas podem obter acesso a tudo no seu telefone, incluindo contas de e-mail, contas bancárias e contas de corretoras.

Pesquisa publicada no início deste ano por professores e Ph.D. alunos da Universidade de Harvard destacaram o aumento da vulnerabilidade a ataques de troca SIM em 2020, especialmente porque mais pessoas estão trabalhando remotamente do que nunca.

O que é mais assustador é que, durante a realização do estudo, um dos próprios autores do artigo de pesquisa foi hackeado.

4. Ser enganado por sites de phishing

2020 pode entrar para os livros de história como o “ano do phishing”. Ataques cibernéticos de engenharia social podem muito bem ser o ponto alto deste ano quando se trata de golpes e têm prevalecido no espaço das criptomoedas.

Esses ataques elaborados frequentemente direcionam as pessoas por e-mail para sites falsos, levando-as a entregar inadvertidamente seus dados privados.

No início deste mês, mais de US$ 280 mil da criptomoeda Ripple (XRP) foram roubados por golpistas que conseguiram induzir os usuários a visitar versões replicadas do popular site de carteiras de hardware Ledger.

Este ano também viu as autoridades dos EUA prenderem dois homens russos acusados ​​de roubar cerca de US $ 17 milhões em criptomoedas.

A onda de ataques de phishing ocorreu durante 2017 e 2018 e enganou as pessoas as enviando para sites de réplicas de corretoras de criptomoedas populares.

5. Investir em esquemas Ponzi

Esquemas de Ponzi já existem há muito tempo e eles não parecem ir a lugar nenhum tão cedo, especialmente quando se trata de criptomoeda.

Ponzis funcionam convencendo você a investir em algo com a promessa de retornos consideráveis ​​sobre o seu investimento e com pouco ou nenhum risco.

Seus retornos são feitos com dinheiro novo quando novos investidores são atraídos para o esquema, criando uma pirâmide de retornos prometidos e engano.

Na maioria das vezes, na realidade, há pouco ou nenhum desenvolvimento de negócios acontecendo em segundo plano e, em última análise, esses esquemas entram em colapso quando os fundadores desaparecem com todos os seus fundos.

Conclusão

Quando se trata de criptomoeda, a segurança ainda é uma selva.Com a quantia total de dinheiro roubado em criptomoedas até o momento em bilhões de dólares, o máximo cuidado deve ser tomado ao mergulhar os pés no mundo da criptomoeda.

Porém, nem tudo é desgraça e tristeza; empresas de tecnologia pioneiras em todo o mundo estão trabalhando duro para resolver esses problemas com grande efeito.

Com proteção contra ataques de força bruta e toda a criptografia realizada localmente, algumas corretoras oferecem aos usuários uma solução hermética e fácil de usar para comprar, vender, armazenar, enviar e gastar tanto criptomoedas quanto dinheiro tradicional.