Existe um smartphone Android que emite mais radiação do que o permitido

Existe um smartphone Android que emite mais radiação do que o permitido

abril 29, 2022 By settimiz

Você já deve ter ouvido dizer que smartfones, assim como outros equipamentos tecnológicos emitem radiação, mas será que isto é verdade?

Bem, recentemente o Bankless Times listou alguns smartfones como sendo os que possuem maior índice de emissão de radiação de radiofrequência. Foi observado que todos os smartfones liberam algum nível de radiação, mas, ainda não está provado que esta radiação é prejudicial à saúde dos seres humanos.

O Bankless Times usou como base para testar esses aparelhos os números da taxa de absorção específica, que mede a taxa que o corpo humano absorve as ondas do campo eletromagnético de radiofrequência.

Aparelhos que estão entre os dez que emitem mais radiação

Esses resultados foram listados em Watts por quilograma.

Dentre muitos aparelhos, foi chegado à conclusão de que o Motorola Edge está no topo da lista dos que emitem maior radiação com medição SAR de 1,79 W/Kg, este nível de radiação excede o limite máximo da FCC, que é de 1,6W/Kg.

Logo atrás do Motorola Edge foi identificado o Edge AT com 1,59W/Kg.

Em terceiro lugar temos o OnePlus 6T com a classificação SAR de 1,55W/Kg.

Temos também classificados como quarto lugar o Xperia XA2 Plus da Sony, com SAR de 1,41W/Kg. Em quinto o Pixel 3 XL com 1,39W/KG, logo atrás dele vem o Pixel 4ª com 1,37.

Em oitavo lugar está novamente o Sony Xperia XZ1 com SAR de 1,39W/Kg, em nono vem o Pixel 3 com o One Plus , que tinham taxa de 1,33W/Kg.

Definitivamente esta lista não é aquela em que fabricantes de smartfones gostariam de estar classificados como os dez primeiros, não é mesmo?

Existem em vários países agencias que regulam e definem as classificações máximas da taxa de SAR que dispositivos podem emitir e que não afetem a saúde dos usuários colocando-os ao risco de desenvolver câncer.

Segundo o relatório, todos os telefones celulares liberam radiação, porém, alguns fatores determinam o nível de radiação liberada são eles: o tipo de aparelho, o modelo, a idade e a potência da antena. A distância do dispositivo da torre de celular também é importante.

Como diminuir o contato com a radiação

É sugerido pela FCC que os usuários de smartfone limitem sua exposição a telefones celulares, usando-os por períodos mais curtos e fazer maior uso do recurso de viva-voz. Dessa forma a exposição à radiação é menor.

Finalmente, celular causa câncer?

Esta é uma dúvida que muitos de nós temos.

Médicos, cientistas e engenheiros da FDA constantemente analisam estudos e publicações em busca de evidências dos efeitos que a energia de radiofrequência afeta o nosso organismo.

Tendo como base de aproximadamente trinta anos de buscas e evidências científicas sobre a radiação não ionizante. Não foi comprovado nenhum vínculo entre esta energia e o surgimento de doenças como o câncer, por exemplo.

A FDA também analisa e monitora os dados sobre as taxas de câncer da saúde pública população americana sobre o desenvolvimento do câncer.

Esses dados mostram que, mesmo com o aumento de uso de telefones celulares nesses trinta anos, não houve, de forma muito clara, indícios de aumento generalizado de câncer de cérebro, bem como outros tipos de câncer do sistema nervoso nos últimos.

A agência afirma ainda que: “Na verdade, a taxa de câncer de cérebro e de outros cânceres do sistema nervoso diagnosticados nos Estados Unidos diminuiu nos últimos 15 anos ou mais”.