Existem perigos de radiação na tecnologia 5G?

Existem perigos de radiação na tecnologia 5G?

dezembro 15, 2020 0 Por carolcfuenmayor

Com o grande avanço das empresas de telefonia, o crescimento das antenas tem crescimento muito. Outro detalhe também, que os dispositivos bluetooth e os celulares emitem radiação a todo momento.

Existe alguma empresa ou instituição que faz a verificação e a limitação desse tipo de perigo?

Noção do perigo

Mesmo antes da humanidade os campos eletromagnéticos estão presentes em todo campo ambiental Luz solar, raios cósmicos e tempestades, por exemplo.

Aproximadamente a 30 anos atrás, deu se o início de antenas de telefonia móvel. Nas construções, teve padrões internacionais para que a população ficasse em segurança, mesmo que não fosse dado todos os dados possíveis que informam quais danos colaterais a saúde.

O que pode ser controverso, pois a preocupação na construção das estruturas virou um aspecto mundial, e por outro lado, houve um aumento de serviço de telefonia no mundo inteiro.

Fatores claros

A Organização Mundial de Saúde (OMS) junto com a União Europeia já sabia que no começo do século XXI, essa falha e da importância de ter as informações sobre os perigos que podem ser causados pela telefonia móvel.

Mesmo que houvesse ações para que a população ficasse tranquila, a OMS no ano de 2006 alegou que existem indivíduos que ficar muito tempo perto de áreas com radiofrequência cause graves consequências negativas.

Houve uma verificação nos dados em 2014, e com confirmado pela OMS quemesmo após estudos e análises, não existem fatos que comprovem que os celulares causem esse tipo de perigo a saúde.

Verificando um documento que foi postado esse ano sobre a tecnologia 5G, teve afirmação internacional que não há fatos científicos que façam a população se preocupar sobre os riscos com a saúde.

Essa consequência, quando é exposta de forma normal, não apresenta riscos. Por esse motivo, tem uma alta relevância para que os níveis estejam inferiores aos das agências internacionais independentes.

Como é feito o controle da exposição?

Existe uma organização chamada Comissão Internacional para Proteção contra Radiação Não Ionizante que faz análises durante certo períodos para que seja verificado evidências para quando ocorrem os efeitos biológicos.

É analisado vários tipos de fatores como campos eletromagnéticos de radiofrequência, radiações eletromagnéticas, como luz visível, infravermelha e ultravioleta, entre outros fatores.

Por esse motivo que há um padrão de segurança definido, e não devemos temer com a radiação pelos dispositivos em nossa casa, como roteador, controle e telefone.

Toda essa verificação tem suas etapas públicas, sendo feita postagem em periódico científico após processo de revisão por pares.

Quando há uma decisão sobre quais são os níveis que foram analisados e são seguros, é colocado um fator de precaução ou segurança de 50.

Essa análise serve como base para países ocidentais a muitos anos e são implementados pela legislação correspondente.

Interesse das empresas na segurança da radiação

AS empresas estão mostrando interesse por essa política de regulamentações que fazem o uso de sistema de antenas e 5G serem mais seguros. Porém, há movimentos que estão contra esse tipo de tecnologia.

Quando se tem um estudo e todo um planejamento que faça a radiação estar sobre controle e em nível que faça a população e todo meio ambiente estar em segurança, claro que empresas vão se mostrar interessadas, e é isso que está acontecendo. .

Que tipo de problema isso pode ocasionar?

A radiofrequência que é exposto por esses dispositivos são bem inferior as medidas de segurança definido pela ICNIRP. Isso pode ser comprovado por meio de inúmeros estudos e revisões feitas em testes reais.

Além desse fator da radiação, há outras consequências que sim estão causando impacto, porém é algo que não é derivado da radiação, como por exemplo, postura incorreta e a dependência do dispositivo.

Ou seja, muitos movimentos que tem se mostrado contra essa tecnologia, não menciona todos os outros fatores que tem de fato pode ser prejudicial para o ser humano.

Isso nos mostra que, todos os fatores devem ser analisados em conjuntos e não somente um fator isolado.

É verídico os estudos que falam que afeta realmente a saúde?

Para Alberto N Ajera Lopez, médico em radiologia e medicina física e Juan Carlos Lopez,  engenheiro de telecomunicações, mencionam que pode ter uma diferença em dados científicos nesse assunto, e nos mostram quais são as causas disso.

Essas informações que expressão opinião contrária, analisando com mais clareza e profundidade, pode se analisar que há um excesso inadequado nas analises feitas tanto em laboratórios quanto em animais, sem base o que é real.

Em três décadas, não há uma publicação que tenha um peso forte científico que possam mostrar e comprovar grandes riscos a saúde, como câncer ou prejudicar a qualidade do sono.

O que é comum de acontecer, são várias informações erradas e distorcidas que acontece por causa do medo do desconhecido ao invés de se basear em dados científicos.

Isso pode ser prejudicial a área médica, como análises e prescrições não relacionadas ao saber médico ou industrias que criam aparelho de proteção, sem que ofereça nenhum tipo de ameaça.