Huawei: a empresa e os riscos de segurança

Huawei: a empresa e os riscos de segurança

novembro 9, 2020 0 Por carolcfuenmayor

Huawei é uma empresa chinesa que cresceu e se tornou a maior fornecedora de equipamentos de telecomunicações do mundo.

Estes equipamentos são fundamentais para o funcionamento da Internet. A Huawei ocupa cada etapa da cadeia de rede entre nossos laptops e telefones até os data centers que hospedam o conteúdo que desejamos acessar.

Os equipamentos da Huawei são especialmente eficientes nas partes da rede como nos data centers, e é esse equipamento que vem levantando preocupações. Embora também venda dispositivos de consumo, como laptops e telefones.

O amplo debate sobre essas preocupações abrange diversos tópicos. Desde as atividades de espionagem agressiva de Pequim até a guerra comercial em curso entre a China e os Estados Unidos; algo que a Huawei argumenta que está na verdade motivando as ações contra a empresa.

Depois que Boris Johnson ordenou que toda a tecnologia da Huawei fosse retirada da rede 5G do Reino Unido até 2027, é importante analisar os problemas enfrentados pela empresa e os temores de segurança.

Novas restrições na Huawei

A Huawei projeta e fabrica o kit que controla como e para onde os dados são enviados. Entre os equipamentos estão os switches de rede, gateways, roteadores e pontes. Esses dispositivos de infraestrutura central tocam tudo que cruza a Internet e são essenciais para que funcionem corretamente.

Ela também fabrica equipamentos de rádio, como antenas, que vivem no limite da infraestrutura de telecomunicações e são menos críticos para a rede, embora parte da vantagem geracional do 5G seja a quantidade crescente de funcionalidade crítica que ocorre nos limites.

Funcionários do Reino Unido, no início deste ano, concederam à empresa acesso restrito para construir infraestrutura “não-central” dentro da rede 5G da Grã-Bretanha. A condição foi de que não detenha mais de 35% da participação de mercado – ao mesmo tempo em que a impedia de se envolver no áreas mais sensíveis da rede.

Essa decisão foi baseada em um julgamento do National Cyber ​​Security Center de que seria capaz de gerenciar qualquer problema apresentado pelo “fornecedor de alto risco”, conforme oficialmente designado.

No entanto, o NCSC foi forçado a reavaliar sua decisão anterior de que era capaz de gerenciar os riscos colocados pelos equipamentos da empresa após as novas restrições à Huawei anunciadas pelos EUA em maio, que impediriam que chips de computador baseados em designs americanos fossem usados ​​em qualquer um de seus equipamento.

As medidas profundamente prejudiciais ameaçam cortar o fornecimento de semicondutores da Huawei usados ​​em suas linhas de produtos, de estações base de rádio a servidores e smartphones.

Isso poderia levar a empresa a começar a usar tecnologias de substituição “não confiáveis” dentro desses produtos, aumentando a quantidade de trabalho que seria necessária para gerenciar o risco que esses produtos introduziam na rede.

Ban pode causar “apagões”

Parlamentares foram alertados de que poderia haver apagões de celulares em todo o Reino Unido se o governo obrigasse as empresas de telefonia a retirar a Huawei de suas redes.

Os executivos da BT e da Vodafone alertaram o parlamento que se o governo os instruísse a remover completamente o equipamento da Huawei de suas redes repentinamente, isso custaria bilhões de libras e levaria os clientes a perderem o sinal do telefone por vários dias.

Andrea Dona, chefe de redes da Vodafone Reino Unido, disse que um “plano de transição de cinco anos” seria o mínimo com que a empresa poderia trabalhar para evitar esse impacto nos clientes – um período em fases durante o qual a empresa poderia substituir lentamente o equipamento Huawei por alternativas.

O diretor de tecnologia e informações da BT, Howard Watson, disse que era “logicamente impossível” remover todos os equipamentos da Huawei das redes da empresa em um período de três anos.

“Isso causaria mal funcionamento e quedas para clientes que utilizam o 4G e 2G, em todo o país, portanto, definitivamente não recomendamos que sigamos por esse caminho”, acrescentou Watson.

Como os outros países estão agindo?

Além do Reino Unido, duas nações da aliança de inteligência Five Eyes – os EUA e a Austrália – proibiram efetivamente a instalação de qualquer equipamento Huawei como parte da próxima geração de equipamentos de telecomunicações.

A Nova Zelândia não vetou completamentea utilização dos dispositivos da Huawei em suas redes. No entanto, também não deu permissão a nenhuma operadora de rede do país para usar equipamentos Huawei – e em 2018 a impediu de fazê-lo.

A violação das sanções não está ligada à segurança dos equipamentos da empresa de forma mais geral.

Em outros lugares, nações como Índia e Alemanha expressaram suas preocupações sobre a inclusão de equipamentos Huawei ao atualizar a infraestrutura de telecomunicações para 5G.

China x EUA

Os EUA têm feito grandes esforços de lobby contra a empresa.

O presidente Donald Trump ligou para Johnson antes da decisão inicial sobre o papel que a Huawei deveria ter permissão para desempenhar dentro da infraestrutura 5G do Reino Unido para reiterar que, caso o Reino Unido concedesse à empresa chinesa qualquer acesso, Washington reavaliaria sua relação de compartilhamento de inteligência com o Reino Unido.

Não espera-se que o relacionamento do Reino Unido com a América seja prejudicado. A Grã-Bretanha pode decidir permitir que seus operadores de rede doméstica para usar equipamentos Huawei, e nenhuma reavaliação imediata foi anunciada após a decisão inicial do Reino Unido.

A Huawei acusou os EUA de usar as preocupações com a segurança nacional para aumentar a pressão sobre a China como parte das negociações comerciais em andamento entre os dois países.