Por que a Blockchain da Mastercard se foca em aplicações práticas

Por que a Blockchain da Mastercard se foca em aplicações práticas

novembro 3, 2020 0 Por carolcfuenmayor

Blockchain é um dos maiores chavões da tecnologia. Isso se deve em grande parte a sua aplicação mais popular, as criptomoedas.

O aumento no valor do Bitcoin, Litecoin, Ethereum e outras criptomoedas fez da blockchain uma figura pública.

Mas a criptomoeda não é a única aplicação do blockchain, como as empresas com interesses na tecnologia irão mostrar.

O sensacionalismo que a mídia trouxe ao blockchain está começando a se dissipar. As pessoas que se concentraram no blockchain desde o início – não como um salvador, mas como uma tecnologia – agora estão focadas nas aplicações práticas da tecnologia – diz Deborah Barta, vice-presidente sênior de inovação e engajamento de startups do Mastercard Labs.

A relação da Blockchain com as grandes empresas

A Mastercard pode não ser uma empresa que muitas pessoas associam ao blockchain, mas serve como um exemplo sólido de empresas que investem em aplicações de blockchain fora da cena da criptografia.

Ela discretamente reivindicou uma posição de líder em P&D de blockchain, registrando a terceira maior patente de blockchain do mundo (Alibaba e IBM lideram).

Embora não seja incomum para as empresas seguirem os modismos, a Mastercard tem investido nas inúmeras aplicações da tecnologia desde antes do primeiro bilionário Bitcoin.

Construímos nosso próprio blockchain há cerca de cinco ou seis anos. Recisávamos disso para espelhar os locatários de nossa rede de pagamentos em termos de resiliência, segurança, escala e taxa de transferência, e isso simplesmente não estava disponível no momento com blockchains de código aberto – diz Barta.

Labs, a unidade de P&D da empresa, foi lançada em 2010 para ajudar a acelerar a inovação por meio de programas internos e parcerias com empresas e startups.

Nove anos desde do seu lançamento, Labs cresceu para 11 escritórios em todo o mundo e sua sede, localizada no subúrbio de Dublin de Leopardstown, em breve terá quase 600 funcionários.

Temos equipes de engenharia dedicadas e pessoas preocupadas com o produto, trabalhando em todos os estágios do ciclo de vida do produto. Há um modelo comercial para sustentar, então não estamos apenas jogando no vácuo. Queremos ter certeza de que o que construímos pode realmente ser dimensionado – disse Barta.

Barta ingressou no Labs em 2012 e ajudou a conduzir o desenvolvimento do blockchain da Mastercard.

Dinheiro em movimento

Não surpreendentemente, a Mastercard gastou uma boa quantidade de tempo explorando as aplicações do blockchain.

Considere as transferências internacionais de dinheiro. Qualquer pessoa que enviou dinheiro para o exterior sabe que não é barato nem simples.

Isso porque o dinheiro não se move apenas de um banco para outro. Normalmente, pelo menos um banco intermediário é necessário para concluir as transações internacionais.

Esses bancos atuam como intermediários, fazendo a ponte entre os bancos que não têm contas compartilhadas e cobrando taxas por seus serviços.

O Blockchain elimina a necessidade de intermediários, pois estabelece uma conexão direta entre os bancos e verifica a existência dos recursos a serem transferidos. A Mastercard tem buscado esta aplicação da tecnologia blockchain desde o final de 2017.

O blockchain da Mastercard é permitido, o que significa que os detalhes são compartilhados e acessíveis apenas por aqueles que participaram da transação.

Empresas e bancos podem se inscrever para acessar suas APIs de blockchain e usá-las para construir ou aumentar suas próprias plataformas de pagamento internacional.

O Mastercard não processa nenhuma transação usando seu próprio blockchain e nenhum dinheiro é realmente enviado por ele.

Embora a tecnologia seja nova, o potencial é grande, dado o fato de que a rede de liquidação existente da Mastercard consiste em mais de 22.000 bancos.

A empresa também está investigando as aplicações de blockchain voltadas para o consumidor no espaço de pagamentos.

Em entrevista, Barta disse que sua equipe está desenvolvendo soluções de fidelidade baseadas em blockchain e deu a entender que as notícias chegarão em breve.

Embora o blockchain da Mastercard ainda não ofereça suporte para criptomoedas, notícias recentes e anúncios de emprego indicam que isso pode mudar em breve.

A empresa fez parceria com a empresa de tecnologia blockchain corporativa R3 em um projeto internacional de pagamentos B2B. Nessa iniciativa, a Mastercard está emprestando sua rede de pagamentos, não seu blockchain, para o esforço.

Do luxo ao popular

Faz sentido para a Mastercard emprestar seu peso para soluções de pagamentos baseadas em blockchain. Mas a empresa também está testando aplicativos de blockchain em águas menos convencionais.

Provenanceé a solução baseada em blockchain da Mastercard para visibilidade da cadeia de suprimentos.

A ideia é que os mesmos benefícios que o blockchain também podem ser aplicados a bens de consumo, de moda de luxo a salmão.

A solução Provenance viu até agora dois programas-piloto públicos.

A primeira foi no verão passado com a varejista Fred Segal e a marca de moda americana Rodarte. Durante duas semanas em agosto, Rodarte vendeu peças de uma coleção de edição limitada na loja de Fred Segal no Sunset Boulevard.

A Mastercard também trouxe sua solução Provenance para supermercados por meio de uma parceria com uma empresa de visibilidade da cadeia de suprimentos do consumidor chamada Envisible.

Os dois desenvolveram tecnologia projetada para permitir que os clientes da rede de supermercados Food City sigam sua jornada de atacado de frutos do mar, das linhas de pesca e redes ao processamento e entrega na loja, tudo digitalizando um código QR na embalagem.

Se você tivermos visibilidade em toda a cadeia de suprimentos, podemos oferecer melhorias e soluções operacionais mais eficientes. Podemos habilitar pagamentos B2B entre fornecedores e compradores e coisas como inteligência artificial para potencializar análises preditivas – disse Barla.

Além de dar às empresas maiores informações sobre suas cadeias de suprimentos, o blockchain permite que os consumidores façam compras mais informadas.

Em vez de acreditar na palavra da empresa e confiar que suas bolsas são de origem ética ou que seus alimentos vêm de uma fazenda sustentável, os consumidores podem ver por si mesmos e optar por gastar seu dinheiro em outro lugar se uma marca não estiver atendendo aos seus padrões.

Independentemente do aplicativo, Barta disse que sua equipe faz um esforço consciente para garantir que o trabalho que eles fazem com o blockchain atenda a mais do que apenas um propósito comercial.