Por que o sucesso do Vale do Silício é tão difícil de replicar

Por que o sucesso do Vale do Silício é tão difícil de replicar

novembro 7, 2020 0 Por carolcfuenmayor

O mundo ainda está lutando para adivinhar o segredo do sucesso do Vale do Silício, após décadas de perplexidade e frustração.

As vilas e cidades no extremo sul da Baía de São Francisco têm muito talento de alta tecnologia.

Porém isso dificilmente é uma explicação, pois esses ambiciosos jovens engenheiros e inovadores poderiam encontrar trabalho em qualquer lugar que desejassem.

É possível fazer uma lista com as características que trouxeram tantos bons profissionais ao vale do silício.

Sim, a área circundante tem sua parcela de universidades, centros de pesquisa do governo e laboratórios comerciais.

Uma startup dificilmente poderia exigir circunstâncias mais encorajadoras;

  • um grande grupo de trabalhadores altamente qualificados;
  • acesso a abundante capital de risco;
  • e uma cultura altamente empreendedora.

Réplicas e lugares similares

Mas o Vale do Silício não tem monopólio sobre nenhum desses recursos.

Para ter certeza, bolsões de inovação surgiram em uma escala menor em outras partes dos EUA, como o Triângulo de Pesquisa da Carolina do Norte e o Corredor da Rota 128 fora de Boston.

Ao mesmo tempo, vantagens comparáveis ​​foram de pouca ajuda para outras áreas.

Entre elas o norte de Nova Jersey, com os Bell Labs e as principais universidades, junto com a proximidade de Wall Street, a capital mundial dos investimentos de alto risco.

Países ao redor do mundo estão fazendo o possível para copiar a magia do vale.

Considere a China, onde empresas em uma variedade de setores aumentaram seus gastos com pesquisa e desenvolvimento em uma média de 64% ao ano nos últimos cinco anos, e o governo de Pequim está fazendo grandes investimentos no sistema universitário do país.

A esperança é que tal infusão de recursos gere uma simbiose ao estilo do Vale do Silício entre a indústria e o setor de pesquisa. O esforço tem sido enorme, mas até agora os resultados são tudo menos isso.

Quais são as características não replicáveis do vale?

Um estudo conjunto de 2012 do Bay Area Council Economic Institute e da Booz&Co., tentou responder a essa pergunta.

O que descobriu foi uma característica especial que distingue as empresas do Vale do Silício das empresas comuns. O elemento chave é a capacidade de integrar suas estratégias de inovação com suas estratégias de negócios e essa única característica pode fazer a diferença entre sucesso e mediocridade – ou pior.

A pesquisa relatou que as empresas do Vale do Silício têm quase 4 vezes mais probabilidade do que a empresa americana média, no estudo anual Global Innovation 1000 da Booz&Co., de possuir um alinhamento de sua estratégia corporativa geral com sua estratégia de inovação.

Não por coincidência, o a cultura corporativa de uma empresa do Vale do Silício também tem duas vezes e meia mais probabilidade de estar em sintonia com a estratégia de inovação da empresa.

Uma coordenação como essa pode render grandes dividendos.

Tanto em lucratividade quanto em patrimônio e liquidez, as empresas que combinam com sucesso seus objetivos corporativos com assuas estratégias de inovação crescem muito mais rapidamentedo que aquelas que não o fazem.

E para ressaltar a importância da inovação, as empresas do Vale do Silício têm quatro vezes mais probabilidade do que outras de mudar seu próprio status quo contratando novos talentos para o desenvolvimento de produtos.

Os três elementos básicos

Uma nova pesquisa em andamento identificou três estratégias básicas de inovação: o Vale do Silício é dominado pelo que chamamos de “buscadores de necessidades”.

Empresas que se concentram em discernir as necessidades reais de seus usuários, tanto faladas como não faladas; descobrir como atender a essas necessidades; e, então, colocar o produto ou serviço necessário no mercado o mais rápido possível.

As outras duas categorias são os “impulsionadores de tecnologia” que seguem sua direção de seus departamentos de engenharia, em vez de seus clientes, e os “leitores de mercado” que contam com uma abordagem de desenvolvimento incremental e rápida.

De acordo com a pesquisa, os que buscam necessidades superam consistentemente os outros dois em um período de cinco anos, tanto em lucro bruto quanto em valor da empresa.

A pesquisa também mostra, que tendem a formular suas decisões de estratégia de inovação nos níveis mais altos da empresa.

Em seguida, eles comunicam essa estratégia a toda a organização e gerenciam seus portfólios de projetos de P&D de maneira rigorosa e implacável.

As startups do Vale do Silício, em particular, promovem uma cultura de identificação com o cliente e paixão pelos produtos/serviços da empresa.

Ao mesmo tempo, tende a haver menos preconceito do “não inventado aqui”, consequentemente tornando a empresa mais aberta a boas ideias, seja de que fonte for.

Em comparação com apenas 28% das empresas dos EUA no Global Innovation 1000, um total de 46% das empresas do Vale do Silício seguem este modelo.

Talvez isso se deva ao etos do capital de risco do vale, que valoriza os planos de negócios fortemente focados e a antecipação do cliente necessidades.

Considerações Finais

E esse parece ser o segredo há muito procurado. As empresas que vivem no vale contam com uma estratégia que busca a excelência, coloca as necessidades do cliente no centro da inovação e valoriza novos talentos e novas ideias acima de tudo.

Até agora, essa combinação especial de recursos e ideais tem se mostrado difícil, senão impossível, de imitar em qualquer outro lugar.

A busca continua, no entanto. O prêmio é muito grande para desistir.