Ícone do site Syrus

Xiaomi é a nova Huawei? Entenda mais sobre as fabricantes chinesas

Xiaomi

Antes da paralisante proibição de comércio nos Estados Unidos, o pessoal da Huawei estava decidido a enfrentar a Samsung. A Huawei empatou (e eventualmente ultrapassou) a Apple no segundo lugar globalmente, desfrutando de muito ímpeto nos anos anteriores às sanções.

Quase um ano após o banimento, a Huawei até conseguiu ultrapassar a Samsung para o cobiçado primeiro lugar em produção de dispositivos móveis no segundo trimestre de 2020.

No entanto, isso foi devido a uma combinação de circunstâncias sem precedentes, pois na época, a China estava se recuperando da pandemia COVID-19, enquanto as fábricas da Samsung na Europa e na América do Norte estavam sendo atingidos por ela.

Desde então, a marca chinesa diminuiu os pedidos em muitos locais. A queda induzida pela Huawei nos EUA também abriu a porta para muitas marcas tirarem proveito e parece que a Xiaomi avançou para continuar de onde a Huawei parou.

O herdeiro do trono da Huawei?

A Xiaomi revelou seus resultados financeiros para o terceiro trimestre de 2020 nesta semana, relatando que as remessas aumentaram massivamente em 45% no ano.

Enquanto isso, a Counterpoint Research relatou anteriormente que a Huawei viu uma queda de 24% nas remessas durante o mesmo trimestre. O instituto também observou que tinha 14% de participação de mercado em comparação com 13% da Xiaomi na época.

Em outras palavras, é provável que a Xiaomi já tenha ultrapassado a Huawei em participação no mercado global e, no processo, tenha se tornado a marca chinesa mais popular.

Esse número de 45% é particularmente impressionante, dado que o resto dos cinco maiores fabricantes, exceto a Samsung, viram quedas esse ano, de acordo com a Counterpoint. Mesmo assim, a Samsung supostamente apresentou um crescimento de apenas 2%.

A estratégia da Xiaomi nos últimos dois anos tem sido focar nos baluartes tradicionais da Huawei na Europa, Oriente Médio e (até certo ponto) na África, enquanto mantém o ímpeto em sua região natal, a China, e no altamente disputado mercado indiano.

Informamos anteriormente que a Xiaomi ultrapassou a Huawei em terceiro lugar na Europa no segundo trimestre de 2020. No entanto, a Xiaomi acrescenta que está entre as cinco primeiras em 54 mercados, e a marca principal em 10 mercados.

A empresa há muito tempo tenta evitar colocar todos os ovos na mesma cesta, e essa abordagem também parece estar dando resultado, já que a Xiaomi informou que a receita no exterior agora representa pouco mais de 55% da sua receita.

Isso significa que a marca pode se apoiar no mercado interno ou externo conforme achar apropriado. Essa estratégia também foi usada com grande efeito pela Huawei no passado.

A Xiaomi também adotou a estratégia testada e comprovada de se associar às operadoras. Mais especificamente, a Xiaomi diz que se associou a 50 operadoras que cobrem “100 sub-redes” em 50 países.

Esta é uma jogada sensata da marca, já que as redes sem dúvida estarão de olho em alternativas ao portfólio da Huawei de telefones Lite, aparelhos básicos da série Y e dispositivos premium.

O enigma do premium

Os telefones baratos da Xiaomi têm sido consistentemente responsáveis ​​por seu crescimento ao longo dos anos.

Três telefones baratos da Xiaomi estavam na lista dos 10 telefones mais populares globalmente no terceiro trimestre de 2020. Este também foi o caso nas classificações de telefones do primeiro trimestre de 2020 da Canalys.

No entanto, um grande desafio para a Xiaomi é o segmento premium. A empresa vem tentando fazer uma marca na categoria de luxo há algum tempo.

Os telefones Mi de última geração da empresa geralmente são considerados carros-chefe de preço acessível, como as séries Mi 8 e Mi 9.

A primeira sugestão de uma abordagem premium, entretanto, veio no ano passado, quando o CEO Lei Jun sugeriu que o preço principal mais alto estava a caminho.

O que isso significa para 2021?

A pandemia de COVID-19 e a incerteza econômica, combinadas com os problemas da Huawei, definitivamente resultaram nas circunstâncias ideais para as marcas de smartphones voltadas para o valor lucrar.

Acontece que a Xiaomi estava no lugar certo na hora certa para tirar vantagem disso. No entanto, há mais em jogo do que ser uma fabricante de primeira linha que entrega telefones baratos.

A Xiaomi precisará melhorar seu produto principal se pretende duelar com a Apple e a Samsung.

A Xiaomi poderia consolidar seu segundo lugar nas paradas em 2021? Essa é a grande questão, e muito depende das ações que o governo Biden tomará contra a Huawei no próximo ano.

O retorno dos serviços do Google seria uma grande vitória para a Huawei, mas ela ainda terá que trabalhar duro para reconquistar a confiança do consumidor.

Além da concorrência da Samsung e potencial concorrência da Huawei, a Xiaomi também enfrentará um desafio de empresas como Oppo, Realme e Vivo em 2021.

A Realme focado no orçamento, em particular, pode ser a maior ameaça à participação de mercado global da Xiaomi. A marca acumulou seguidores na fortaleza da Xiaomi na Índia, enquanto também se expandia agressivamente para países como a Europa.

A Xiaomi também tem aumentado seu investimento em P&D ao longo dos anos, revelando que gastou 7,5 bilhões de yuans ($1,14 bilhão) em 2019, representando um aumento de 29,7% em relação a 2018.

A empresa projetou que gastaria 10 bilhões de yuans (US$ 1,5 bilhão) em 2020. Esses números são ofuscados pelos gastos com P&D da Huawei – enormes US$ 15 bilhões em 2019.

No entanto, espera-se que a Xiaomi ofereça carregamento mais rápido e mais tecnologias sem fio UWB em 2021. A nova tecnologia e os preços competitivos a ajudarão a consolidar o segundo lugar em 2021? Só o tempo irá dizer.